• Redação JM

A importância da água da chuva!

O fenômeno meteorológico conhecido como chuva é a precipitação de gotas de água que caem sobre a terra. Trata-se do ciclo fundamental para a vida no planeta. A água que se condensa em forma de nuvens até cair, já em estado líquido, desempenha o papel importante ao abastecer mananciais, como mares, rios e lagos. A chuva propicia atividades essenciais para a vida humana, como a agricultura e a pesca, também contribui para a sobrevivência de inúmeras espécies.

Para entender a importância da água da chuva, é preciso compreender as etapas que a fazem cair sobre a superfície do solo. O ciclo hidrológico tem início com o processo de evaporação das chamadas águas superficiais, como mares, rios, lagos e lagoas. A transpiração de plantas e animais também contribui para o processo de evaporação da água. Em seguida, ela é condensada e armazenada na atmosfera por meio de vapor d'água, ou seja, as nuvens. O processo final é a precipitação em forma líquida. Nessa etapa, a água escoa sobre a terra e retorna aos mares, represas e rios. Esse processo se repete continuamente.

A água das chuvas é uma das responsáveis pela manutenção do clima na terra. Basicamente, o clima se refere ao estado da atmosfera do mundo. É um conceito que compreende série de elementos atmosféricos distintos como pressão do ar, temperatura e umidade. As chuvas contribuem justamente para manter certa quantidade de vapor de água na atmosfera, chamada de umidade relativa do ar. Regiões com alta umidade relativa do ar têm maior sensação térmica, enquanto outras com baixa são mais secas, como os locais desérticos da terra. Essa relação da água no ar contribui para regular os climas no planeta.

O ciclo das chuvas é fundamental para a sobrevivência da humanidade, pois tem como função abastecer reservas, rios e lagos. Foi essa reserva de água potável que permitiu que o homem obtivesse as condições necessárias para a vida através de atividades como a pesca e a agricultura. A água da chuva contribui para a riqueza do solo graças à reciclagem de nutrientes. Esse processo beneficia sobretudo áreas com solos deficientes em nutrientes e precipitação irregular de chuva, como a região semiárida do Nordeste brasileiro. Ao escoar lavando as copas das árvores e cair pelo tronco antes de se infiltrar completamente no solo, as águas nutrem as raízes com minerais e nutrientes essenciais à vida.

As chuvas são importantes para a produção de energia, alternativa considerada limpa por não ser poluente. As usinas hidrelétricas são grandes complexos de engrenagens e equipamentos que conseguem produzir energia elétrica através da movimentação hidráulica de reserva de água corrente, como os rios. As usinas atuais são responsáveis por 18% da produção de energia elétrica no mundo. No Brasil, essa fonte de energia renovável é responsável por 95% da eletricidade consumida no País.

Tomar água da chuva não é uma das melhores escolhas para o ser humano, ela é um líquido poluído, ou seja, apresenta substâncias tóxicas e poluentes.

Os ácidos presentes na chuva são o sulfúrico (H2SO4) e o nítrico (HNO3), formados a partir dos seguintes processos: Ácido sulfúrico: O dióxido de enxofre (SO2) interage com o oxigênio (O2), formando o trióxido de enxofre (SO3) = SO2 + O2 → SO3. Em seguida, o trióxido de enxofre reage com água, formando ácido sulfúrico = SO3 + H2O → H2SO4. Ácido nítrico: O monóxido de nitrogênio (NO2) interage com o oxigênio (O2), formando o dióxido de nitrogênio (NO2 ) = NO + O2 → NO2. Em seguida, o dióxido de nitrogênio reage com água, formando ácido nítrico = NO2 + H2O → HNO3.

Além desses ácidos, a água da chuva absorve outros gases, como o gás amônio, bem como poeira e demais materiais que ela encontra pela frente quando está caindo. É evidente que a quantidade de materiais contaminantes, tóxicos e poluentes é maior em grandes cidades.

O melhor filtro de água é a terra, vegetação, matas e cuidados com a natureza.

Texto: João Sibirino

Adaptação: Jornal Minuano