• Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

Gráfica e Editora Minuano Ltda / Jornal Minuano

Diretor: João Sibirino
Dpto. Comercial: Edi Rejane Mentz 

Redação/Design: Vitor Fernando Lirio e Luciane Schneider
Entregas / Cobranças: Álvaro Gerlack

© Criado por Jornal Minuano

 Av. Eduardo de Brito, 467 - Santa Bárbara do Sul-RS - CEP 98.240-000 - Tel: (55) 3372-1221 - WhatsApp: (55) 99161-5059

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Jornal Minuano.

  • Redação JM

O adeus da comunidade santa-barbarense ao padre Arzelindo

Faleceu no sábado (12), padre Arzelindo Cipriani - “Tio Padre”, (como era conhecido), aos 82 anos.

Arzelindo Cipriani, filho de Ângelo Cipriani e Luiza Soldatelli nasceu em 26 de março de 1937, em São Domingos do Sul/RS. Era o 9º filho de 12 irmãos. Aos 12 anos, aos pés de Nossa Senhora Rainha da Paz, sentiu o chamado para a vocação sacerdotal. Sua inspiração para servir através do sacerdócio foi pelo testemunho de santidade e ministério do Conego Monsenhor João Benvegnú - Pároco de São Domingos do Sul.

Entrou para o Seminário Menor de Arroio do Meio, onde cursou os primeiros estudos. Após, passou para o Seminário Maior de Viamão, onde formou-se em Filosofia e Teologia.

Em 12 de julho de 1964, foi ordenado sacerdote por Dom Vicente Sherer, então arcebispo da Arquidiocese de Porto Alegre. Ao longo de sua vida, dedicou-se ao ministério sacerdotal em diversas paróquias: Morro Santana em Porto Alegre, Alvorada, Butiá, Barra do Ouro, Canela, Arroio dos Ratos, Barra do Ribeiro e outras.

Há 10 anos vivia em Santa Bárbara do Sul, próximo a família e seu irmão José (Geppe), ajudando na medida do possível o pároco do município.

Sua saúde, porém, veio se mostrando cada dia mais debilitada. Após 30 dias de internação no HSBB - Hospital Santa Bárbara Beneficente, padre Arzelindo faleceu no sábado (12), dia de Nossa Senhora Aparecida, de quem era devoto.

Ainda em vida, Arzelindo manifestou alguns desejos, entre os quais, o de, após sua morte, os objetos pessoais, de uso nos atos litúrgicos, no exercício de seu ministério sacerdotal, fossem doados ao Santuário Rainha da Paz, como gratidão a Nossa Senhora pela proteção que ela lhe prestou ao longo de seus 55 anos de sacerdócio.

Tio Padre deixará saudade, pois era querido pela comunidade santa-barbarense, por sua forma simples, humana e carinhosa como exercia o sacerdócio. Seu funeral, que aconteceu no domingo (13), foi digno de um sacerdote, amado, querido pelos familiares e povo.

O Jornal Minuano deseja sinceros votos de pêsames à família enlutada. Que Deus em sua infinita bondade console-os nesse momento de dor.